Quando o amor se acaba





Leia ouvindo: Dulce Maria - No Sé Llorar


Decidi que já chorei o suficiente nesse último mês. E cada vez que topava com uma situação que lembrava os nossos pequenos detalhes juntos, as lágrimas caiam como chuva: primeiro, uma breve garoa; depois, um forte aguaceiro  que rapidamente se tornava uma tempestade. Trovejava. Felizmente, as chuvas de verão são passageiras.

 O que acontece, meu amor, é que eu acordei. Acordei de um pesadelo que eu nem sei se pode ser chamado assim, talvez seja apenas um sonho ruim, um mal momento, um dia de azar; algo tão frívolo para o qual eu dei uma importância incabível. Até que você não era assim, tão interessante. Teu sorriso não era tão perturbador quanto tua personalidade ausente e nem teu abraço era tão marcante quanto tua leviandade. Só depois descobri que não valia meu esforço!

Seja feliz agora, meu amor. Viva feliz me procurando em outras pessoas, pessoas vazias, plásticas, tão tolas quanto você. Te desejo que seja feliz o suficiente para não sentir falta de uma conversa séria, de uma bronca, de algo que nunca alguém dissera antes. Te desejo felicidade que preencha seu vazio interno, seu desamor próprio, sua busca pela aceitação. Te desejo que seja tão feliz quanto estou agora, quando realmente me encontrei, quando me libertei desta prisão que era ser tua.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

THE STARBLIND - 2017. Todos os direitos reservados. Modelo por: Emmile Santos. Tecnologia do Blogger.